segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Educação Especial - Guia Prático sobre Autismo


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Educação Especial - Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade - Guia para Professores


Os professores são peças fundamentais no processo de aprendizagem dos alunos, portanto merecem um capítulo à parte quando o assunto é o tratamento do TDAH. Neste capítulo, vou comentar sobre estratégias a serem adotadas em sala de aula para melhorar a capacidade de atenção e diminuir os prejuízos decorrentes de comportamentos hiperativos, facilitando, assim, a aprendizagem. O mais interessante é que as estratégias podem ajudar a todos. Tanto alunos com TDAH podem beneficiar dessas estratégias, como alunos portadores de outros problemas comportamentais e também aqueles que não apresentam problema algum.

DICAS PARA OS PROFESSORES
1- Estabeleça rotinas: Mantenha a sala de aula organizada e estruturada. O estabelecimento de uma rotina diária em sala de aula facilitará o entendimento e a aprendizagem de todas as crianças. Estimule o aluno a limpar a sua mochila semanalmente e a mantê-la organizada.

 2- Crie as regras da sala de aula: Regras claras e objetivas ajudam na manutenção da disciplina na sala de aula. Essas regras podem ser afixadas num painel localizado em local de fácil visualização pelos alunos. Consequências negativas devido à quebra das regras também podem ser afixadas no painel, assim como consequências positivas (prémios) por comportamentos assertivos.

 3- Caderneta Escolar: Trata-se de uma estratégia muito usada pelos professores. Através dela, informações importantes poderão ser trocadas sobre o comportamento do aluno na sala de aula, no recreio escolar, ou sobre a execução de deveres de casa e atividades. Enfim, pais e professores poderão manter um canal de comunicação para saber como está a criança ou adolescente.

4- Sentar na frente na sala de aula: Será mais fácil ajudar o estudante com dificuldade nos estudos e com um comportamento desatento ou hiperativo sentando-o na frente na sala de aula, próximo ao quadro e ao professor. Isso irá facilitar o controlo e o comportamentos inadequados em sala de aula, além de permitir que o professor faça intervenções ou elogie boas atitudes desse aluno.

5- Matérias mais difíceis no início da aula: Não apenas os portadores de TDAH, mas todos os estudantes estão mais aptos à aprendizagem no início do horário letivo. Portanto, as disciplinas mais difíceis podem ser “privilegiadas” nesse momento, com maiores hipóteses de serem assimiladas, enquanto no final do dia todos estão mais cansados, e os conteúdos mais fáceis podem ser ensinados nesse momento.

6- Pausas regulares: Todos nós possuímos uma determinada capacidade para permanecermos atentos. Isso significa que após um determinado tempo, nossa capacidade de atenção diminui muito, assim como nosso desempenho. Portanto, permitir pausas regulares entre as atividades é uma conduta importante para que os alunos possam relaxar por alguns minutos.

7- Ensine técnicas de organização e estudo: Normalmente, as crianças e os adolescentes apresentam dificuldade para se organizar e planear os estudos. Se esses estudantes forem portadores de TDAH será ainda maior. Portanto, o professor pode exercer um papel importantíssimo no estabelecimento de técnicas de organização para favorecer o estudo em casa.

8- “Tempo extra” para responder às perguntas: Por que não? Estamos a trabalhar com um aluno que apresenta dificuldade de atenção, desorganizado, mas que se conseguir um tempo extra, pode atingir os objetivos propostos pelo professor. Logo, permitir um tempo extra para responder às perguntas propostas durante a aula ou durante a prova pode e deve ser realizado.

9- Questione sobre dúvidas em sala de aula: O professor deve questionar o portador de TDAH, assim como outros estudantes sobre as  dificuldades escolares, sobre dúvidas em sala de aula. Isto irá ajudar na assimilação de conceitos e favorecerá a atenção do aluno.

10- Estimule e elogie: Portadores de TDAH apresentam baixa auto estima, pois estão constantemente a receber críticas, podendo ficar com aversão  à escola. Ao elogiar e estimular o seu esforço, o aluno irá sentir-se valorizado, a sua auto estima será protegida e teremos grandes hipóteses de observar um crescimento académico. Estimule o aluno com palavras de incentivo. Faça cartazes para serem colocados no mural de recados com as regras do bom comportamento, recompensas por bom comportamento e consequências pelo desrespeito às regras.

11- Premie o bom comportamento em sala de aula: Também chamado de esforço positivo. Essa estratégia visa a estimular que comportamentos assertivos sejam potencializados e o interesse pelos estudos aumente, promovendo a melhoria do desempenho académico de todos. Implemente um programa com pontuação e recompensas por bom comportamento. Pode escrever um contrato entre você e o aluno em que ele concorde em realizar os seus trabalhos de sala e associar-se a uma sistema de prémios em caso de sucesso. 

12- Traga a aula para o dia a dia do aluno: Temos mais um fator para a melhoria académica de qualquer estudante: a motivação. Muitas crianças e adolescentes encontram dificuldade em entender a necessidade de algumas disciplinas. Portanto, a contextualização da matéria ensinada pode ser uma boa alternativa para atrair o interesse do aluno. A matemática será muito mais interessante caso o aluno aprenda a utilizá-la concretamente em sua rotina diária. O português pode envolver a utilização de recortes de jornais e revistas, assim como geografia e história. Enfim, existem inúmeras formas de tornar as disciplinas interessantes para os alunos. 

13- Seja simpático: Costumo lembrar-me dos meus professores da escola e os melhores eram sempre aqueles dinâmicos, extrovertidos, que se movimentavam em sala de aula, motivadores, engraçados e que chamavam os alunos pelos nomes. Oscile a entoação e o volume de voz para atrai a atenção. O professor pode ser um excelente modelo de comportamento para seus alunos. Portanto, seja empático!

14- Dividir trabalhos por partes: Uma vez que crianças e adolescentes com TDAH apresentam dificuldade na organização para a execução de trabalhos escolares, ensiná-los a dividir em várias etapas pode ser uma grande estratégia para facilitar a resolução e a conclusão, tornando o trabalho menos exaustivo.

15- Agenda e lista de atividades diárias: Atualmente as nossas crianças e adolescentes têm muitas atividades. São aulas particulares, aulas de inglês, futebol, judo, etc. Bem, ensiná-los a utilizar uma agenda ou uma lista de atividades diárias pode auxiliar muito na organização e no planeamento do seu tempo.

16- Leitura sobre os transtornos comportamentais: Os professores devem ter algum conhecimento técnico sobre os problemas comportamentais escolares. Portanto, leia bastante sobre o TDAH e outras condições comportamentais que acometem crianças e adolescentes.

17- Seja assertivo: O professor é a figura central e o modelo de aprendizagem para os seus alunos, portanto seja assertivo. Evite críticas, pois o aluno com TDAH normalmente apresenta um prejuízo muito grande em sua autoestima. Prefira elogios, mas caso a crítica seja necessária, converse separadamente com o aluno para evitar expor suas dificuldades académicas e comportamentais aos outros estudantes.

18- Esteja alerta e antecipe problemas: Muitas vezes as mudanças comportamentais dos alunos seguem um padrão. Identificando precocemente esse padrão de comportamento os professores podem antecipar situações problemáticas, como por exemplo: sempre que um aluno começa a levantar da carteira, outros o seguem e em segundos todos estão conversando e dispersos. O professor pode-se antecipar e combinar que será permitido que o aluno se levante da carteira após os exercícios terem sido concluídos e com sua autorização. Lembre os alunos sobre o comportamento esperado para essa ou aquela atividade em sala de aula.

19- Faça contato visual: Olhe nos olhos de cada aluno e chame-os pelo nome para atrair e captar a atenção. Dessa forma os estudantes estarão mais alertas e atentos às suas orientações e ensinamentos.

20- Utilize a internet: Alunos que apresentam dificuldade na cópia em sala de aula podem beneficiar da colocação de textos e de deveres de casa na internet ou na distribuição de materiais impressos pelo professor.

21- Estimule a prática de esportes: A prática de atividade física deve ser estimulada sempre. Aí entra com maior ênfase o papel do profissional de educação física. Crianças e adolescentes com TDAH apresentam dificuldades de relacionamento socia. Desportos coletivos são excelentes ferramentas para estimular a socialização, melhorar a auto estima, além de ensinar sobre a importância do trabalho em equipa, do respeito às regras, de seguir uma hierarquia de comando e de respeitar a autoridade do professor.

Sugestão de prémios: 
–Ser o “ajudante” do professor; 
–Apagar o quadro; 
–Escrever no quadro; 
–Ir buscar material para a aula; 
–Sair para beber água; 
–Pontos positivo; 
–Elogio verbal; 
–Elogio no caderno; 
–Elogio na caderneta escolar. 

Estratégias para atrair a atenção do aluno em sala de aula: 
–Acenda e apague as luzes da sala de aula; 
–Diga frases do tipo: “Atenção!”, "Atenção, turma!”; 
–Bata palmas; 
–Utilize giz ou marcadores coloridos no quadro; 
–Faça contato visual durante todo o tempo com os alunos, especialmente com os mais desatentos. 
–Utilize recursos multimédia, como computadores, retroprojetores, vídeos, músicas e internet.

Texto do livro “Desatentos e Hiperativos – Manual para alunos, pais e professores”, de Gustavo Teixeira, editora Best Seller.

sábado, 19 de novembro de 2016

Educação Especial - Na escola: 27 atitudes para lidar com um aluno com TOD


Alunos com TOD podem beneficiar muito se na escola/sala de aula forem feitas algumas adequações tendo em conta a sua personalidade.
Apresentamos de seguida uma lista de desafios comuns enfrentados pelos alunos com TOD e pelos profissionais que com eles lidam, bem como as possíveis adequações que podem ajudar ao seu sucesso na escola.

Soluções para a sala de aula
1- Se o seu aluno é facilmente distraído pela actividade da sala de aula ou por actividades vistas pelas janelas ou portas tente sentá-lo na frente ou no meio, longe dessas distracções.

2- Se o seu aluno tem atitudes de forma a chamar atenção pelo lado negativo, tente sentá-lo perto de um colega que seja um bom exemplo para a turma.

3- Se o seu aluno não tem noção do espaço pessoal; caminha entre as carteiras para ir falar com os outros alunos, tente aumentar o espaço entre as mesas.

Tarefas
4- Se o seu aluno for incapaz de terminar uma tarefa no tempo permitido, tente permitir um tempo extra para ele terminar a tarefa solicitada.

5- Se o seu aluno se sai bem no início de uma tarefa, mas a qualidade diminui próximo do final tente dividir as tarefas longas em partes menores; encurtar as tarefas ou os períodos de trabalho.

6- Se o seu aluno tem dificuldade em seguir instruções, tente combinar instruções por escrito com as instruções faladas.

Distracção
7- Se o seu aluno for incapaz de acompanhar as discussões em classe e as anotações, tente providenciar ajuda de um colega para tomar notas e perguntar ao aluno questões que o encorajem a participar nas discussões.

8- Se o seu aluno se queixa de que as aulas são chatas tente procurar envolvê-lo na apresentação da aula.

9- Se o seu aluno se distrai facilmente, tente estimulá-lo a prestar atenção na tarefa por meio de um sinal combinado com ele.

10- Se o seu aluno entrega trabalhos com erros, por falta de atenção, tente reservar um período de cinco minutos para conferir o trabalho ou a tarefa de casa antes de entregá-los.

Comportamento
11- Se o seu aluno exibir constantemente um comportamento para chamar a atenção, tente ignorar os comportamentos impróprios.

12- Se o seu aluno falha em descobrir o objetivo da aula ou da actividade, tente aumentar o imediatismo dos prémios e das consequências.

13- Se o seu aluno responde intempestivamente ou interrompe os outros tente admitir as respostas correctas somente quando o aluno erguer a mão e for autorizado a falar.

14- Se o seu aluno necessitar de reforço, tente enviar relatórios diários ou semanais para os seus pais.

15- Se o seu aluno necessitar de ajuda por tempo prolongado para melhorar o comportamento, tente estabelecer um contrato de comportamento.

Organização/Planeamento
16- Se o seu aluno não guardar os seus apontamentos correctamente, tente recomendar pastas com separadores ou arquivos.

17- Se o seu aluno tiver problemas em se lembrar dos trabalhos de casa, tente providenciar um livro de tarefas para o aluno; supervisione a anotação das obrigações.

18- Se o seu aluno perde os livros, tente permitir que o aluno tenha um conjunto de livros em casa.

19- Se o seu aluno é inquieto e necessita de andar na sala, tente permitir que o aluno ande pela sala ou que fique de pé enquanto faz determinada tarefa.

20- Se o seu aluno tem dificuldade em manter a atenção por longos períodos de tempo tente fazer curtas pausas entre os trabalhos.

Humor/Socialização
21- Se o seu aluno estiver confuso sobre os comportamentos sociais correctos, tente estabelecer metas de comportamento social com o estudante e faça um programa de premiações.

22- Se o seu aluno não trabalha bem com os outros, tente encorajar as tarefas cooperativas de aprendizado.

23- Se o seu aluno não é respeitado pelos colegas tente atribuir responsabilidades ao aluno, na presença do grupo de colegas.

24- Se o seu aluno tem baixa autoconfiança, tente elogiar o comportamento e o trabalho positivos; dar ao aluno a oportunidade de agir em papel de liderança.

25- Se o seu aluno parece solitário e distante, tente encorajar as interações sociais com os colegas de classe; planear actividades de grupo sob a direcção do professor.

26- Se o seu aluno se frustra facilmente, tente elogiar frequentemente o comportamento apropriado e o bom trabalho.

27- Se o seu aluno fica enraivecido facilmente, tente encorajar o estudante a sair de situações que provocam a raiva.

Informação retirada daqui

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Educação Especial - Transtorno Desafiador de Oposição (TDO) e a Escola


Alunos com transtorno desafiador de oposição - TDO exibem um padrão de comportamento negativo, desafiador, desobediente e hostil para com seus pais e outras figuras de autoridade. A maioria apresenta um temperamento difícil desde bebé. 

Na escola, com maior frequência, os professores reclamam de alunos com este perfil. O DSM-IV-TR, 2000, diz-nos que este comportamento começa antes de a criança fazer oito anos de idade. O diagnóstico do TDO é quase sempre um desafio para os psicólogos e outros profissionais da saúde mental, ele deve incluir avaliações do comportamento  em diversas situações, a sua origem ainda é desconhecida. 

Alguns cientistas identificaram diversos padrões importantes (Tynan, 2008). Uma delas é que, assim como o TDAH, é mais frequente também, em mais pessoas do sexo masculino, do que no feminino.

Segundo alguns estudos, os alunos com Transtorno de Atenção e Hiperatividade apresentam o transtorno desafiador de oposição ou o contrário. Esses alunos muitas vezes, apresentam um comportamento difícil em sala de aula, alternando com transtornos emocionais, de ansiedade e até mesmo depressão. Tendem a exibir comportamentos desafiadores mais frequentemente com as pessoas que conhecem bem, tais como seus pais, irmãos, colegas de turma e os seus professores. 

Quando em contato com pessoas estranhas, que não conhecem bem, eles costumam comportar-se adequadamente, apresentando um comportamento calmo. Por isso, é comum  que um professor diga que um aluno se encaixa no perfil de TDO, enquanto outros que interagem menos, com o aluno, digam não ter problemas com ele.

No tratamento do TDO (BEE, 2011, p.429), pode ser prescrito um medicamento para os seus sintomas de TDAH. Um psicólogo poderá acompanhar aos pais para auxiliar nos momentos problemáticos do filho para ele não ceder às exigências do filho. 

Ensinando a estabelecer limites concretos para o comportamento e a cumprir as consequências  prometidas. Na escola, o mesmo deverá ser combinado com o aluno. Sabemos de suas limitações em controlar o comportamento inadequado, porém devemos cumprir aquilo que combinamos.

Informação retirada daqui
Referência Bibliográfica
BEE, Helen. A criança em desenvolvimento. Porto Alegre: Artmed, 2011. p.428 – 430.

domingo, 13 de novembro de 2016

Educação Especial - Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade - Inibição e auto-controlo




Inibição e auto-controlo
1 – Procura ter sempre uma postura pró-ativa. Antecipar as possíveis dificuldades do educando que possam surgir e estruturar as soluções. Identificar no ambiente de sala de aula quais são os piores elementos de distração (situações que provocam maior desatenção) na tentativa de manter o aluno o mais distante possível deles e, consequentemente, focado o maior tempo possível na tarefa em sala de aula.

2 – Utilizar técnicas auditivas e visuais para sinalizar transições ou mudanças de atividades. Exemplo: falar em voz alta e fazer sinais com as mãos para lembrar a mudança de uma atividade para outra, ou do término da mesma.

3 – Dar frequentemente feedback (reforço) positivo. Assinale os pontos positivos e negativos de forma clara, construtiva, respeitosa. Esta monitorização é importante para o aluno com TDAH, pois permite que ele desenvolva uma percepção do seu próprio desempenho, potencial e capacidade e possa avançar motivado em busca da sua própria superação.

4 – Permitir que o aluno se levante em alguns momentos, previamente combinados entre ele e o professor. Alunos com hiperatividade necessitam de alguma atividade motora em determinados intervalos de tempo. Exemplo: pedir que vá ao quadro apagar o que está escrito, solicitar que vá buscar algum material, etc., ou mesmo permitir que vá rapidamente à casa de banho ou ao corredor beber água. Este procedimento é extremamente útil para diminuir a atividade motora e, muitas vezes, é ABSOLUTAMENTE NECESSÁRIO para crianças muito agitadas.

Informação retirada daqui: http://tdah.org.br/

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Educação Especial - Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade - Técnicas de aprendizado e habilidades metacognitivas


Técnicas de aprendizado e habilidades metacognitivas
1 – Explicar de maneira clara e devagar quais são as técnicas do educando que estão a ser utilizadas. Exemplo: explicar e demonstrar na prática como usar as fontes, materiais de referência, anotações, notícias de jornal, de livros, etc.

2 – Definir metas claras e possíveis para que o aluno faça sua autoavaliação nas tarefas e nos projetos. Este procedimento permite que o aluno faça uma reflexão sobre o seu aprendizado e desenvolva estratégias para lidar com o seu próprio modo de aprender.

3 – Usar um organizador gráfico para ajudar no planificação, organização e compreensão da leitura ou escrita.

Informação retirada daqui: http://tdah.org.br/

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Educação Especial - Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade - Organização e técnicas de estudo





Organização e técnicas de estudo
1 – Dar as instruções de maneira clara e oferecer ferramentas para organização do aluno desenvolver hábitos de estudo. Incentivar o uso de agendas, calendários, post-it, blocos de anotações, lembretes sonoros do telemóvel e uso de outras ferramentas tecnológicas que o aluno considere adequado para a sua organização.

2 – Na medida do possível, supervisionar e ajudar o aluno a organizar os seus cadernos, mesa, armário ou arquivar papéis importantes.

3 – Orientar os pais e/ou o aluno para que os cadernos e os livros sejam “encapados” com papéis de cores diferentes. Exemplo: material de matemática – vermelho, material de português – azul, e assim sucessivamente. Este procedimento ajuda na organização e memorização dos materiais.

4 – Incentivar o uso de pastas plásticas para envio de papéis e trabalhos de casa. Desta forma, todo o material impresso fica condensado no mesmo lugar minimizando a eventual perda do material.

5 – Utilizar diariamente a agenda como canal de comunicação entre o professor e os pais. É extremamente importante que os pais façam observações diárias sobre o que observam no comportamento e no desempenho do filho em casa, assim como o professor poderá fazer o mesmo em relação às questões relacionadas à escola.

6 – Estruturar e apoiar a gestão do tempo nas tarefas que exigem desempenho em longo prazo. Exemplo: ao propor a realização de um trabalho de pesquisa que deverá ser entregue no prazo de 30 dias, dividir o trabalho em partes, estabelecer quais serão as etapas e monitorizar se cada uma delas está sendo cumprida. Alunos com TDAH apresentam dificuldades em desempenhar tarefas em longo prazo.

7 – Ensine e dê exemplos frequentemente. Use folhas para tarefas diárias ou agendas. Ajude os pais, oriente-os como proceder e facilitar os problemas com deveres de casa. Alunos com TDAH não podem levar “toneladas” de trabalhos para fazer em casa num prazo de 24 horas.

Informação retirada daqui: http://tdah.org.br/

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Educação Especial - Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade - Tempo e processamento das informações






Tempo e processamento das informações
1 – Usar organizadores gráficos para planear e estruturar o trabalho escrito e facilitar a compreensão da tarefa. 

2 – Permitir como respostas do educando apresentações orais, trabalhos manuais e outras tarefas que desenvolvam a criatividade do aluno.

3 – Encorajar o uso de computadores, vídeos, assim como outras tecnologias que possam ajudar no educando, no foco e motivação.

4 – Reduzir ao máximo o número de cópias escritas de textos. Permitir a digitação e impressão, caso seja mais produtivo para ao aluno.

5 – Respeitar um tempo mínimo de intervalo entre as tarefas. Exemplo: propor um trabalho em pares antes de uma discussão sobre o tema com a turma inteira.

6 – Permitir ao aluno dar uma resposta oral ou gravar, caso ele tenha alguma dificuldade para escrever.

7 – Respeitar o tempo que cada aluno precisa para concluir uma atividade. Dar tempo extra nas tarefas e nas provas para que ele possa terminar no seu próprio tempo.

Informação retirada daqui: http://tdah.org.br/

sábado, 5 de novembro de 2016

Educação Especial - Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade - Algumas técnicas para melhorar a atenção e memória sustentadas


Algumas Estratégias Pedagógicas para Alunos com TDAH:

Atenção, memória sustentada:

Algumas técnicas para melhorar a atenção e memória sustentadas
1 – Quando o professor der alguma instrução, pedir ao aluno para repetir as instruções ou compartilhar com um amigo antes de começar as tarefas.

2 – Quando o aluno desempenhar a tarefa solicitada ofereça sempre um feedback positivo (reforço) através de pequenos elogios e prémios que podem ser: estrelas no caderno, palavras de apoio, um acenar de mão… Os feedbacks e elogios devem acontecer SEMPRE E IMEDIATAMENTE após o aluno conseguir um bom desempenho compatível com o seu tempo e processo de aprendizagem.

3 – NÃO criticar ou apontar em hipótese alguma os erros cometidos como falha no desempenho. Alunos com TDAH precisam de suporte, encorajamento, parceria e adaptações. Esses alunos DEVEM ser respeitados. Isto é um direito! A atitude positiva do professor é fator DECISIVO para a melhora do educando

4 – Na medida do possível, oferecer ao aluno e toda a turma tarefas diferenciadas. Os trabalhos em grupo e a possibilidade do aluno escolher as atividades nas quais quer participar são elementos que despertam o interesse e a motivação. É preciso ter em vista que cada aluno aprende no seu tempo e que as estratégias deverão respeitar a individualidade e especificidade de cada um.

4 – Optar por, sempre que possível, dar aulas com materiais audiovisuais, computadores, vídeos, DVD, e outros materiais diferenciados como revistas, jornais, livros, etc. A diversidade de materiais pedagógicos aumenta consideravelmente o interesse do aluno nas aulas e, portanto, melhora a atenção sustentada.

5 – Utilizar a técnica de “aprendizagem ativa” (high response strategies): trabalhos em duplas, respostas orais, possibilidade do aluno gravar as aulas e/ou trazer seus trabalhos gravados em CD ou computador para a escola.

6 – Adaptações no ambiente da sala de aula: mudar as mesas e/ou cadeiras para evitar distrações. Não é indicado que alunos com TDAH se sentem junto a portas, janelas e nas últimas filas da sala de aula. É aconselhado que esses alunos se sentem nas primeiras filas, de preferência ao lado do professor para que os elementos do ambiente não prejudiquem a atenção.

7 – Usar sinais visuais e orais: o professor pode combinar previamente com o aluno pequenos sinais cujo significado só o aluno e o professor compreendem. Exemplo: o professor combina com o aluno que todas as vezes que percebê-lo desatento durante as atividades, colocará levemente a mão sobre seu ombro para que ele possa retomar o foco das atividades.

8 – Usar mecanismos e/ou ferramentas para compensar as dificuldades de memória: tabelas com datas sobre prazo de entrega dos trabalhos solicitados, usar post-it para fazer lembretes e anotações para que o aluno não esqueça o conteúdo.

9 – Etiquetar, iluminar, sublinhar e colorir as partes mais importantes de uma tarefa, texto ou prova.

Informação retirada daqui: http://tdah.org.br/

quinta-feira, 3 de novembro de 2016