segunda-feira, 3 de julho de 2017

Educação Especial - Síndrome de Asperger - Afinal o que é?


Maria Viana, mãe de Bruno, recorda que o filho, por volta dos dois ou três anos, tinha pouca iniciativa em procurar os outros, sobretudo crianças, e, se o fazia, era de forma desajustada mordiscando ou beliscando. Achava-o também muito contido nas emoções, com poucos risos e poucos choros, e embora tivesse com grande léxico de palavras falava pouco, era repetitivo, e não usava o “eu”. A memória era excelente, sobretudo para temas que lhe interessavam, com dois anos foram as marcas de carros. O Bruno tem hoje 27 anos e sabe tudo sobre o clima. Desde os quatros anos passou por vários especialistas, sendo que o diagnóstico de Asperger só chegou aos 18 anos.

Os sintomas clássicos de Asperger são as dificuldades em contacto visual, a ausência de resposta ao ser chamado, a não utilização de gestos ou do apontar, falta de interesse ou uma certa indiferença pelas outras crianças e por jogos interactivos. De acordo com o MedlinePlus, os sintomas podem ser percetíveis logo nos primeiros meses de vida, sendo que pelos três anos os problemas já são óbvios.

O National Institute of Neurological Disorders and Stroke (NINDS) refere ainda que em crianças mais velhas os interesses obsessivos são um importante sintoma, é referido que muitas crianças se tornam autênticas especialistas em dinossauros, marcas e modelos de carros ou até em objetos aparentemente tão estranho como aspiradores. Igualmente significativa é a dificuldade em entender certos sinais sociais e reconhecer os sentimentos dos outros, sendo que o terceiro sintoma que pode estar presente são alguns problemas a desempenhar certas habilidades motoras como ter dificuldade em aprender a andar de bicicleta ou a apanhar uma bola.

Além dos exames clínicos, outros testes físicos e mentais são sempre feitos de forma a descartar outras possíveis causas e a equipa que segue a criança por norma é multidisciplinar: pediatra do desenvolvimento, neuropediatra, psicólogo ou pedopsiquiatra, terapeuta da fala, etc. Até porque a intervenção precoce pode fazer toda a diferença.

Como nos explica a pediatra do desenvolvimento Mónica Pinto, o Asperger é uma perturbação do espectro do autismo em que não há compromisso da linguagem em termos dos principais marcos – embora possa haver algumas alterações qualitativas – e não existe défice cognitivo associado, pelo que é considerado o extremo “bom” do espectro.

No caso de Bruno, talvez porque os primeiros sintomas surgiram há mais de duas décadas, a psicoterapia só teve início aos 7 anos, mantendo-se até aos 22 anos. Foi avaliado quanto à necessidade de fazer terapia da fala e psicomotricidade mas, na altura, não foram consideradas necessárias, embora hoje em dia a mãe ache que a psicomotricidade teria sido importante.

No caso do Asperger, como de outras perturbações do desenvolvimento, o diagnóstico e intervenção precoces são essenciais. De acordo com Mónica Pinto, uma vez que os sintomas surgem muitas vezes bastante cedo e os pais estão hoje em dia muito atentos, é frequente receber crianças com alterações logo desde os 18 meses ou dois anos, altura em que ainda se pode intervir de forma muito eficaz.

Como explica a pediatra do desenvolvimento, a criança pequena apresenta grande plasticidade cerebral, pelo que através de intervenção precoce dirigida às suas dificuldades específicas é possível modelar o comportamento e melhorar as suas competências sociais e comportamentais. O que quer dizer que quanto mais cedo for feito o diagnóstico e a intervenção, melhores são as possibilidades de tornar a criança funcional.  Em casos raros pode ser necessário recorrer a algum tipo de medicação, mas o principal é o treino da interação, socialização e relação com os outros, idealmente feito nos ambientes naturais da criança (na escola, em casa) e não em gabinete.

Informação retirada daqui